As lições valiosas da mesada

As lições valiosas da mesada

Palpitar sobre como educar um filho é entrar num campo mais delicado. Cada família tem sua história e seus valores, não é mesmo? O que vale para uma, não é bem assim para outra.

Mas, sendo o tema da nossa conversa “Mesada”, vale explorar um pouco o utir qual é a melhor campo da educação. Diferentemente de disclinha pedagógica de uma escola, aqui algumas regrinhas são meio universais. Claro, sempre incluindo o elemento que vale ouro: o bom senso.

Há quem duvide do benefício da mesada. Eu sou da opinião que vale a pena pensar no assunto. Vejo essa prática, no mínimo, como uma oportunidade bacana de falar um pouco sobre dinheiro com a criança.

A idade mínima para iniciar é a partir dos 10 anos, quando a matemática já faz parte da vida da criança. Essa experiência vai ficando mais interessante à medida que ela vai dominando mais a arte de somar e subtrair. Ou seja, calcular.

Antes de dar a mesada, é importante explicar ao seu filho que, a partir daquele momento, ele terá o próprio dinheiro. E logo vai aprender o sentido da palavra “guardar”.

Para isso, ofereça um cofrinho, uma caixa. Pode ser até um pote de maionese vazio. O que importa é que ele goste e sinta orgulho do seu pequeno tesouro.

O seu filho vai entender que, em alguns momentos, abrir mão do sorvete ou o do sanduíche habitual em nome de realizar um projeto maior, valerá o sacrifício. Provavelmente, dará alguns tropeções no começo, o que também é educativo.

Tudo isso significa dar valor ao dinheiro. E vem, com isso, a segunda palavra importante: “priorizar”. Você pode ajudá-lo a se planejar para comprar aquele objeto que ele tanto quer, ou o ingresso para ir ao show da banda preferida com os amigos. Isso é prioritário para ele? Então, mais uma vez a organização será essencial.

Como no mundo dos adultos, a vivência da mesada vai ensinar ao seu filho o sentido da terceira palavra: “frustração”. Lidar com esse sentimento, quando perceber que aquele objetivo era inacessível, é outra valiosa lição.

Se não deu dessa vez, pode dar depois. Vida que segue.

Para um filho adolescente, outra experiência pode ser oferecida: fazer o dinheiro aumentar. Sugira que ele separe 20% da mesada e, mensalmente, invistam. Será um momento que vocês vão curtir juntos.

Quando ele entender que o resultado dependerá de empenho e alguma espera, finalmente você pode se orgulhar de estar oferecendo — mais do que dinheiro — educação financeira.

 Photo by Jenn Evelyn-Ann on Unsplash

Leia também

Deixe seu comentário

Comece a poupar com a Grão