Educação financeira dentro das empresas

Educação financeira dentro das empresas

Educação financeira nas empresas realmente vale a pena? Esse é um tema importante que merece ser conhecido e valorizado por mais pessoas.

Falamos muito aqui em controle financeiro, planejamento financeiro pessoal, metas e objetos pessoais, tudo que envolva uma educação financeira. Mas e as empresas? Como elas podem aprender com a implementação de um programa que envolva a educação financeira?

Vamos entender um pouquinho mais a respeito de como as empresas podem se beneficiar com os conhecimentos de uma educação financeira.

Aí você para e pensa: “Como algo tão básico pode influenciar empresas grandes?”

Não só as grandes, envolve a de todos os portes. Empresas são compostas por funcionários e aqui, não vamos fazer divisões das hierarquias – queremos colocar todos nesse quadro. Funcionários claramente são pagos pelos seus serviços, certo? Com o pagamento em mãos, cada um faz o que bem entender com o seu salário.

Pagar boletos, quitar dívidas, fazer mais dívidas… uma rotina presente na vida da maioria das pessoas. Pessoas endividadas, a desmotivação é certeira! E como mudar esse quadro? Aí é que a educação financeira dentro das empresas entra em ação.

Porque é preciso buscar esse conhecimento para mudar comportamentos referente as atitudes que funcionários tomam quanto a forma de administração de seus recursos financeiros, cutucar bem a raiz do problema; e só assim procurar motivá-los da melhor maneira possível. Se o funcionário não anda muito motivado, não só ele mas toda uma equipe é afetado por isso dentro de uma empresa.

E pensar que para ajudá-lo seria algo como um aumento salarial ou melhorias nas ofertas de benefícios porque não é assim que a banda toca, e se em algumas empresas a banda toca assim, o ritmo pode continuar tomando caminhos diferentes dos resultados que gostariam de alcançar.

Em análise a esse quadro, veja quais são os problemas evitados e o que a implementação da educação financeira pode agregar aos colaboradores/funcionários e consequentemente as empresas:

Leia também: Casa própria vale a pena? É mesmo um investimento?

Responsabilidade social

Essa responsabilidade que é ensinada através da educação financeira pode ser tratada como parte social da empresa em beneficio dos funcionários, familiares, comunidade e a própria empresa;

Vida pessoal x Profissional

Poucas pessoas tem a capacidade de separar mas em sua maioria não conseguem excluir os problemas da vida pessoal do ambiente de trabalho e isso acaba atrapalhando o rendimento do profissional causando desmotivação, queda na produtividade e até mesmo em pedidos de demissões.

Incentivo

Educação Financeira nas Empresas, é um ótimo incentivo e agrega na produtividade, tornando o espaço de trabalho mais agradável.

Por necessidade

Práticas como fazer horas extras e pedidos de aumento serão realizadas com mais consciência, com a ideia de ambos os lados realizar uma troca;

Manter critérios

Sabendo que a renda do funcionário é reduzida em até 35%, é preciso manter critérios antes de considerar o crédito consignado. Ele pode trazer aquela sensação de desaperto mas não se engane, esse monstrinho cresce aos poucos fazendo com que o controle seja totalmente perdido;

Recursos Humanos

Para combater a causa e diminuir os seus efeitos, a iniciativa de implementação deve vir do Recursos Humanos já que é desse departamento que se observa e tem um certo tipo de controle quanto hábitos, costumes e comportamento dos funcionários dentro da empresa;

Adequação

Cada funcionário apresenta um perfil diferente portanto o programa deve se adequar a esses diferentes perfis, sem deixar nada passar despercebido;

Para todos

Problemas com dinheiro todos tem. Vai do CEO até o faxineiro, educação financeira é para todos da empresa;

Leia também: Decisões financeiras: dinheiro pode te afastar de quem você ama

Aposentadoria

O INSS não é sinônimo de uma vida com qualidade garantida por isso, é preciso pautar sobre a aposentadoria com os trabalhadores visto que a maioria não poupa para o futuro;

Entender os limites

Com a educação devidamente aplicada durante a rotina, os trabalhadores começam a respeitar os limites de sua vida, ou seja, o padrão de vida e passam a colocar mais prioridade em seus sonhos e objetivos dentro de sua realidade.

Benefícios como esses, vale a pena ter um programa de educação financeira que ajude ambos os lados a se motivarem juntos – funcionário e empresa de mãos dadas, lado a lado. E nós da Grão juntamente com o Dinheirama estamos aqui para fazer essa força acontecer, dispostos a contribuir com os nossos conhecimentos sobre educação financeira e a sua importância em nossas vidas.

Nós podemos ajudar

A Grao junto com o portal Dinheirama criaram um projeto especial para levar
educação financeira para empresas.

A ideia é promover o conhecimento em educação financeira, ajudando as pessoas a
aprender a fazer um bom planejamento, mas também oferecendo oportunidade para
guardar dinheiro e alcançar objetivos. Nosso projeto de educação financeira conta com o
Investimento Consignado. Com esse investimento, a empresa oferece ao seu colaborador o benefício de separar parte de seu salário e investi-lo na Diin.
Quanto guardar por mês é uma escolha individual e o dinheiro passa a ser aplicado
automaticamente, com a facilidade do dinheiro sair diretamente da empresa todo mês.
O melhor momento para investir é aquele momento que o dinheiro cai na conta.

Com o investimento consignado conseguimos automatizar isso fazendo valer a máxima do

recebi, investi.
Educação financeira nas empresas é um tema especial, por isso merece ser bem discutido e
abordado com todo cuidado. Que tal agendarmos um papo, para contarmos um pouco mais
sobre o assunto?
Entre em contato, vamos conversar
Mande um e-mail para: ricardo@dinheirama.com e rapidamente faremos contato!

Foto de Miguel Henriques no Unsplash

Leia também

Deixe seu comentário

Comece a poupar com a Grão